Últimas
  Prefeitos do Piauí usam dinheiro público e ficam sem o FPM // PT não tem candidato e vai se contentar com "laranja" // Esse timeco envergonha o torcedor brasileiro // Turistas perdem final de semana com praias sujas de óleo no Piauí // Segurados do IASPI são humilhados na consulta //
 


www.jornaldacidadepi.com.br

 
 
 
PGR critica proteção de propina a Ciro Nogueira

Ciro e Joesley na mira da PGR

O Blog do Fausto Macedo, atrelado ao jornal O Estado de São Paulo, noticia que o procurador-geral da República Augusto Aras pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a extinção dos acordos de colaboração premiada de Joesley e Wesley Batista, além dos firmados com os executivos Ricardo Saud e Francisco de Assis. 

Para Aras o grupo foi “desleal” e agiu com "má-fé" ao esconder informações do Ministério Público Federal (MPF). - Desculpa do empresário é que não sabia que alguém receber R$ 500 mil para não votar favorável no impeachment de uma presidente da República era crime

- “(...) tal fato, além de grave, seria considerado por qualquer pessoa, ainda que despida de conhecimentos jurídicos mínimos, como sendo ‘ilícito’”, rechaçou Aras.Também em face disso, Augusto Aras quer a extinção do acordo de colaboração premiada a Joesley Batista 

Segundo o Blog do Fausto, uma das informações supostamente ‘escondidas’, só repassada muito depois, diz respeito ao suposto recebimento pelo senador Ciro Nogueira de uma parcela de R$ 500 mil para votar contrário ao impeachment de Dilma Rousseff.

Conforme a publicação, o procurador-geral da República criticou o comportamento de Joesley Batista e Ricardo Saud “de deixarem de informar no início das negociações do acordo as acusações existentes contra o senador Ciro Nogueira (PP-PI)".

Sendo que somente "no último prazo para a entrega de material complementar aos procuradores, em 31 de agosto de 2017, Joesley entregou um áudio sobre o [suposto] pagamento de R$ 500 mil ao parlamentar em troca de seu apoio ao impeachment de Dilma Rousseff (PT)”.

Traz também o Blog do Fausto que para Aras, “não é crível o argumento de que o fato envolvendo Ciro Nogueira não foi reportado ao MPF já no momento inicial, quando da assinatura do acordo, por que os ex-colaboradores não o consideraram como criminoso. Ora, tal fato, além de grave, seria considerado por qualquer pessoa, ainda que despida de conhecimentos jurídicos mínimos, como sendo ‘ilícito’”.

Ainda segundo o PGR “um homem médio, ao ser apresentado ao fato ora em comento, certamente o consideraria como “contrário ao Direito”, ainda que ele não pudesse precisar o tipo penal em que tal fato se amolda. Se isso é verdade para o homem médio, é ainda mais verdade para pessoas como Joesley Batista e Ricardo Saud, os quais, além de portadores de capacidade intelectual acima da média, eram e continuam sendo assessorados pelas melhores bancas de advogados do país.” 

Apesar de pedir a extinção dos acordos de colaboração premiada, Aras quer, no entanto, que as provas das delações sejam preservadas. A publicação informa também que o relator do caso, ministro Edson Fachin, decidiu encaminhar a questão para o Plenário do STF decidir - ainda sem data para a apreciação.

VOTO FAVORÁVEL AO IMPEACHMENT

Quando do impeachment de Dilma Rousseff, o PP acabou por fechar acordo para votar favorável à queda da então presidente da República.




 







A notícia em Primeiro Lugar

Uma publicação do
Instituto Nonato Santos e
VND - Comunicação
Rua Tiradentes, 1358
(86) 3222-5832

 



Fale Conosco

O nosso propósito é levar a informação a todos os recantos do Piauí, do país e do mundo, com imparcialidade e respeito.

COMO ANUNCIAR

Para anunciar no Jornal da Cidade, basta ligar para:

(86) 99942-2747 - (86) 3222-5832 - (86) 99520-1308, ou pelos E-mais:
vilsonsanttos@bol.com.br
nilson_1@hotmail.com