Últimas
  Teresina adota rodízio de carros no centro na 3ª feira // Projeto prevê até 12 anos de prisão de governadores // MP investiga a morte de presos na cadeia de Altos // Briga entre poderes deixa o Brasil nas mãos das Forças Armadas // O adeus ao último trovador do Brasil em época de pandemia //
 


www.jornaldacidadepi.com.br

 
 
 
Viúva de Marielle arranja outra namorada para sair do luto



No dia 14 de março, as mortes de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes completam dois anos. Neste recorte de tempo, para a viúva da vereadora, Mônica Benício, convivem sensações opostas: o "parece que foi ontem" e o "uma eternidade se passou" desde o crime. Cabem ainda uma ferrenha luta para se chegar ao mandante e à motivação do crime, o engajamento até a alma na defesa dos direitos LGBTQ, o combate a qualquer tipo de preconceito e, agora, um novo amor.

A nova companheira de Mônica é a cantora carioca Marina Iris, que divide com ela também muitas bandeiras. "Marina é apoio, abrigo e afeto'', diz Mônica, que tem feito postagens em suas redes sociais sobre seu atual momento. Esta semana, a história ganhou outra dimensão. Que fez "quebrar'' o WhatsApp tamanho o número de mensagens: "Se no meio de tudo isso, meu relacionamento servir para que outras mulheres possam afirmar seu direito de amar, então a exposição faz algum sentido''.

Criada no Méier, bairro da Zona Norte da cidade, Marina é militante desde a adolescência, "uma força da natureza'', como define Mônica. As duas se conheceram há alguns anos, ainda durante a campanha de Marielle. "Ela estava fazendo show na Alemanha e gravou de lá a parte da letra que compôs para incorporar no jingle. Há pouco tempo, nos aproximamos. E desse lugar de profunda admiração por sua trajetória, sua generosidade, seu apoio, sua disposição e sua parceria, surgiu o amor'', conta.

A viúva de Marielle fala da busca por justiça, do ato político de "ser sapatão'', da patrulha em torno de sua relação e do reencontro com o amor.

Relacionamento?

Precisamos falar de lesbofobia estrutural. Primeiro eu fui apagada do meu lugar de esposa de Marielle, com quem eu dividia uma casa, uma vida, sonhos, e formava família. Enfrento todos os dias acusações de "viúva midiática", que deslegitimam o meu lugar de família de Marielle, e que acontece com a maioria das mulheres lésbicas nesse país, que sofrem com violências emocional e patrimonial, entre outras. Eu e Marielle levamos 14 anos para estruturar a nossa relação, entre idas e vindas e inúmeras lesbofobias da sociedade. Por isso, afirmo que nossas famílias existem e elas são plurais e diversas.

A exposição essa semana nos meios de comunicação não aconteceu com o nosso consentimento, mas entendo que tenho uma responsabilidade pública e política na luta das mulheres, especialmente das lésbicas, porque foi no movimento de lésbicas que encontrei a maior acolhida e reconheci que onde havia incômodo era lesbofobia.

"Costumo dizer que ser sapatão é um ato político e seguirei afirmando as nossas existências e resistências. Por isso, também acho que toda visibilidade conquistada é válida. Ao longo desses dois anos de luta, aprendi também a importância de poder representar de algum modo a lesbianidade em tudo que ela tem de beleza e potência. Se no meio de tudo isso, meu relacionamento servir para que outras mulheres possam afirmar seu direito de amar, então a exposição faz algum sentido", concluiu Mônica.

 




 







A notícia em Primeiro Lugar

Uma publicação do
Instituto Nonato Santos e
VND - Comunicação
Rua Tiradentes, 1358
(86) 3222-5832

 



Fale Conosco

O nosso propósito é levar a informação a todos os recantos do Piauí, do país e do mundo, com imparcialidade e respeito.

COMO ANUNCIAR

Para anunciar no Jornal da Cidade, basta ligar para:

(86) 99942-2747 - (86) 3222-5832 - (86) 99520-1308, ou pelos E-mais:
vilsonsanttos@bol.com.br
nilson_1@hotmail.com