Últimas
  PF amanhece na porta de ladrões de testes rápidos da Covid-19 // Defensoria Pública do Piauí não fazia nada, agora piorou // Petrobras sobe preço dos combistíveis de novo // China produz mais um vírus mortal para acabar o mundo // Prefeitos vão meter a mão na grana: R$ 39 bilhões ao NE //
 


www.jornaldacidadepi.com.br

 
 
 
O adeus ao último trovador do Brasil em época de pandemia



Morreu nesta sexta-feira (29), em um hospital particular de Fortaleza, vítima de Covid-19, o músico compositor, cantor e violonista cearense Evaldo Gouveia. A informação foi confirmada pelo biógrafo do artista, Ulysses Gaspar.

Autor de "Sentimental Demais" e do samba-enredo "O Mundo Melhor de Pixinguinha", dentre outras canções que ganharam espaço na memória dos ouvintes dos tempos áureos do rádio até cá, Evaldo Gouveia teve sua obra bastante interpretada e revisitada.

Conforme Ulysses, Evaldo estava com a saúde debilitada desde o fim de 2017, quando apresentou um quadro de pneumonia, em São Paulo. Na época, o artista se internou e no hospital teve um Acidente Vascular Cerebral (AVC). De volta a Fortaleza, Evaldo ficou em tratamento até contrair o novo coronavírus, que debilitou ainda mais seu quadro.


Hospitalizado após sofrer AVC
 
Com 1.200 composições e cerca de 700 músicas gravadas, o estouro de seu repertório, na frequência radiofônica, foi impulsionado pela voz de cantores como Altemar Dutra, Nelson Gonçalves, Alaíde Costa e Maysa Monjardim. Antes de emplacar carreira solo, o cearense fez parte de formações como a do lendário Trio Nagô, ao lado de Mário Alves e Epaminondas Souza.  
 
A relação com Altemar Dutra (1940-1983), em especial, marcou o ápice da carreira de Evaldo Gouveia. O cearense levou Dutra às boates de Copacabana, no Rio de Janeiro (RJ), e o sucesso do cantor mineiro, interpretando as composições de Evaldo, levou ambos ao auge.

Com o  capixaba Jair Amorim (1915-1993), parceiro por mais de três décadas, compôs sucessos como “Tango para Teresa”, “Brigas”, “Bloco da Solidão”,  “O Trovador”,  “Que queres tu de mim”, “Alguém me disse” e “O Conde”. Em   “O mundo melhor de Pixinguinha”, a dupla contou com a participação de Euzébio do Nascimento.  
 
Trajetória

Natural de Orós (CE), Evaldo nasceu no dia 8 de agosto de 1928 e tinha a memória identificada com o município de Iguatu (CE), para onde a família do artista se mudou quando ele tinha apenas três meses de idade. O compositor é referência da MPB da era do rádio, período que teve seu auge nas décadas de 1940 e 1950 no Brasil.

consagração no Rio de Janeiro teve sua base, no fim da década de 1940, na reputação de Evaldo Gouveia pelo circuito de bares de Fortaleza e pelas premiações em programas de calouros da extinta Ceará Rádio Clube. Foi depois dessa fase que o cearense ajudou a fundar o Trio Nagô. Com o grupo, trilhou um amplo circuito de shows.

O trio fez sucesso no programa do radialista César de Alencar (uma espécie de "Faustão" do rádio), na Rádio Nacional (RJ). Nelson Gonçalves deu fôlego à repercussão de "Deixe que ela se vá", música do Nagô. E nasceram, neste período da primeira metade da década de 1950, composições como "Somos Iguais", "Serenata da Chuva" e "Sentimental Demais".
 
Memória

Ulysses Gaspar lembra que a trajetória do conterrâneo inspirou a produção de livros e filmes. Em agosto de 2019, Gaspar escreveu "O que me contou Evaldo Gouveia", livro de memórias do compositor, finalizado após mais de 400 horas de conversas gravadas, entre Fortaleza e o Rio de Janeiro. A obra foi concluída em 2017, mas o lançamento aconteceu apenas dois anos depois.

O evento, na Livraria Leitura, em Fortaleza, marcou a última aparição pública de Evaldo Gouveia. "Além de ser um grande compositor, ele era um grande contador de histórias. Tinha uma lucidez tremenda e eu queria passar tudo para o papel. O maior desafio é que o livro é como um filho: dá prazer, mas dá muito trabalho. O trabalho de escrever e de pesquisar, porque foram pesquisas de coisas antigas. Se ele falava de Jair Amorim, César de Alencar, precisava explicar para o leitor quem eram esses personagens", detalha o autor.

A dupla nos áureos tempos

Segundo ele, Gouveia tinha uma memória impressionante e, durante o processo de apuração do livro, o papo entre os dois chegava a durar sete horas seguidas. Cerca de cinco anos antes, o produtor lançou uma caixa de DVDs intitulada "Grandes Nomes da Música Cearense". No material, Gaspar reuniu documentários sobre a estrada de Evaldo, Fausto Nilo, Fagner, Amelinha, Ednardo e Nonato Luiz.

"Foi muito gostoso de fazer também, a edição trouxe imagens ricas e Evaldo me contou uma síntese da trajetória dele. Desde o nascimento, a passagem pela vida artística, até os dias mais atuais", complementa Gaspar.
 
Tributos

Em 1982, Evaldo Gouveia foi agraciado como Troféu Sereia de Ouro, um reconhecimento concedido, desde 1971, pelo Sistema Verdes Mares a personalidades que se destacaram e deram sua contribuição ao desenvolvimento do Ceará – em seus diferentes setores de atuação.
 
Recentemente, uma série de tributos marcou as comemorações pelos 90 anos de vida do compositor, completados em agosto de 2018. Em fevereiro de 2019, a homenagem do Carnaval da Saudade do Clube Náutico Atlético Cearense sinalizou sobre a contribuição da obra do cearense para os festejos carnavalescos. 

Ouça algumas músicas do compositor

"O Mundo Melhor de Pixinguinha", em parceria com Jair Amorim, virou samba-enredo da Portela em 1974, e Evaldo ainda criou as chamadas "marchas-rancho", a exemplo de "Bloco da Solidão", celebrada nos bailes durante os anos de 1970.
 
O reconhecimento do apelo diverso de suas composições se deu, ainda, pela homenagem recebida na programação oficial do Carnaval de Fortaleza, em 2011. Como o parceiro Fausto Nilo, homenageado no ano anterior, Evaldo foi lembrado e teve sua obra revisitada, na ocasião, por 20 intérpretes nacionais e locais, com o lançamento do CD "Lá vai meu bloco, vai".
 
Produzido pelo percussionista cearense Pantico Rocha, o disco reuniu nomes como Elba Ramalho, Jane Duboc, Zé Renato e Dominguinhos, pelo time nacional. E, dentre os locais, o próprio Evaldo participou (com "Canto Cearense" e "Esquinas do Brasil"), além de sua companheira, Liduína Lessa, Kátia Freitas, Marcus Caffé, Waldonys e a bateria do bloco Unidos da Cachorra.
 
Show
 
O conterrâneo Marcos Lessa, conhecido pelo Brasil desde o sucesso do programa 'The Voice', da TV Globo, em 2013, preparou, em setembro de 2018, um show dedicado à interpretação do cancioneiro de Evaldo Gouveia. 
 
Além de celebrar a amizade e a parceria dos dois artistas - concretizada por meio de canções feito "Entre o mar e o sertão", o tributo evidenciou como o legado de Evaldo, durante mais de sete décadas de trajetória artística, foi periodicamente "reinventado" pelas novas gerações.
 
Para montar o show, Lessa deu espaço ao "clássico" e ao "novo" dentre as criações de Evaldo Gouveia. O repertório trouxe a interpretação de canções como "O Conde", "Bloco da Solidão", "Alguém me disse" e "O Trovador", além de quatro canções inéditas do homenageado.




 







A notícia em Primeiro Lugar

Uma publicação do
Instituto Nonato Santos e
VND - Comunicação
Rua Tiradentes, 1358
(86) 3222-5832

 



Fale Conosco

O nosso propósito é levar a informação a todos os recantos do Piauí, do país e do mundo, com imparcialidade e respeito.

COMO ANUNCIAR

Para anunciar no Jornal da Cidade, basta ligar para:

(86) 99942-2747 - (86) 3222-5832 - (86) 99520-1308, ou pelos E-mais:
vilsonsanttos@bol.com.br
nilson_1@hotmail.com