Últimas
  Rara, "doença da urina preta" não possui tratamento // Morto tenta sacar dinheiro da aposentadoria no banco // O difícil reconhecimento! // Motoristas de ônibus não confiam na prefeitura e continuam greve // Deputada, ainda impune, vai sentar no banco dos réus //
 


www.jornaldacidadepi.com.br

 
 
CNBB e evangélicos bagunçam Campanha da Fraternidade

Todos querem se mostrar mais

Grupos conservadores da Igreja Católica acusam ação por texto com tom progressista; lançamento foi nesta quarta (17), a Campanha da Fraternidade deslanchou uma nada fraternal batalha ideológica na Igreja Católica. Promovida em geral pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), a cada cinco anos ela é realizada de forma ecumênica, ou seja, com um texto base abrangendo outras visões religiosas que não apenas a dos representantes do Vaticano.

A de agora, a cargo do Conic (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil), enervou alas conservadoras do catolicismo, que veem um documento carregado de tintas progressistas. Com o tema "Fraternidade e Diálogo: Compromisso de Amor", a carta levanta quatro pontos que particularmente irritaram o bloco à direita:

1) Alveja "discursos negacionistas" sobre a Covid-19 e critica a "negação da ciência" e do papel da ONU (Organização das Nações Unidas) e a da OMS - Organização Mundial da Saúde) no combate à pandemia,

2) Cita a "necropolítica" que se voltaria "contra as maiorias falsamente consideradas minorias: juventude negra, mulheres, povos tradicionais,

3) Ainda que não cite o nome do presidente Jair Bolsonaro, ataca sua gestão ao desancar a "resistência ao isolamento social, tanto por parte do governo quanto de uma parcela significativa da sociedade";

4) Por fim, condena igrejas que continuaram abertas naquele começo de quarentena, "apesar das aglomerações causarem contaminações e mortes". O "lobby religioso" pressionou para que elas fossem incluídas entre as “atividades essenciais”, como se os templos não pudessem buscar alternativas não presenciais de acolhimento, de acordo com o texto.

O desgosto com o conteúdo encharcou a caixa de comentários dos perfis das dioceses nas redes sociais. Um fiel foi à página da Arquidiocese de Maringá, por exemplo, para cobrar que seu bispo repudie o "amálgama podrecido de heresias".

Grupos conservadores de orientação católica tentam agitar boicotes à ação deste ano. O perfil do Educar Para o Céu é um exemplo: pede que seus 40 mil seguidores marquem "seu bispo, padre, paróquia e diocese" para coagi-los a abandonar a "ideologia na quaresma" —a campanha começa todos os anos na Quarta-feira de Cinzas, início deste período de 40 dias em que católicos se preparam para a Páscoa.

CNBB, fez um clamor por união: tudo bem que Deus não criou clones que pensam igual, mas irmãs e irmãos devem abracar a proposta ecumênica "com o coração aberto, afastando o que divide". Diante dos "impasses da vida, onde as radicalizações e polarizações se manifestam, vacinemo-nos com o diálogo", propôs.

O documento convulsionou parte da direita católica mesmo antes do lançamento oficial. Há duas semanas, dom Odilo Scherer, arcebispo de São Paulo, defendeu-o no programa que comanda no Facebook todo domingo depois da missa.

Ele primeiro explica que, a cada quinquênio, a CNBB cede o preparo do texto a parceiros cristãos, deixando claro que o teor não partiu deles (embora um representante dos bispos estivesse na comissão da Conic que o aprovou).

Sugere "abaixar um pouco a fervura" do que define como uma polêmica "movida por um monte de preconceitos''. Questiona: do que adianta "acusar de ideologia de um lado, mas cometer o mesmo erro de posição ideológica oposta, dura, fechada"?

Quem "fica lá comentando umas frases, esqueceu o foco", diz dom Odilo. Ele próprio admite que há ali "questões que talvez eu não diria desse modo, mas, pelo amor de Deus, o foco é outro" .

A ideia de uma Igreja esquerdizada é alimentada por ativistas católicos leigos. Bernardo Küster, que ganhou popularidade com vídeos como "Projeto de Ditadura LGBTTQI+@Y123", virou um queridinho do bolsonarismo. Em mais de uma ocasião, acusou a CNBB de ser uma entidade empesteada de comunismo —começando pelo seu fundador, dom Helder Câmara (1909-1999), a quem se refere como "o arcebispo vermelho".




 







A notícia em Primeiro Lugar

Uma publicação do
Instituto Nonato Santos e
VND - Comunicação
Rua Tiradentes, 1358
(86) 3222-5832

 



Fale Conosco

O nosso propósito é levar a informação a todos os recantos do Piauí, do país e do mundo, com imparcialidade e respeito.

COMO ANUNCIAR

Para anunciar no Jornal da Cidade, basta ligar para:

(86) 9936-5070 ou pelos E-mail:
vilsonsanttos@bol.com.br