Últimas
  Bolsonaro: inquéritos de Moraes são imorais // TSE nega acesso a dados de eleições // Auxílio Brasil de R$ 600 começa a ser pago hoje // Procurador quer suspender União Brasil, partido de Sílvio Mendes // 14º salário do INSS pode ficar só para 2023 //
 


www.jornaldacidadepi.com.br

 
Cotas

Analisando o assunto, vi que hoje o jovem já não precisa mais estudar tanto para entrar na faculdade pública, precisa apenas dizer que tem a pele preta, parda ou ser de origem indígena, ter estudado em escola pública e mais outras provas de que não se sente com conhecimento suficiente para estar aonde quer estar.

Isto me chamou a atenção e me lembrou que se assim continuar, nosso futuro com esses profissionais que irão para o mercado de trabalho será o reflexo dessa imbecilidade que é a lei de cotas. Está em dúvida? Pergunte aos professores sobre a qualidade dos que entram através de cotas. Assustador. Apavorante.

De quem terá sido a ideia de separar as pessoas pela cor da pele, pela classe social, pela renda per capta, apenas para dizer que o pobre que não estudou será considerado preparado para entrar na faculdade? Isto é um estímulo à vagabundagem juvenil. Ou era mesmo esse o resultado esperado por quem criou essa lei. Acredito que sim.

Enquanto isso, quem realmente estudar terá que se sacrificar um pouco mais, pois em um concurso com 20 vagas, apenas oito são para os que não são abrigados pela excludente lei.

Pra você ver como no nosso Brasil as coisas estão erradas, estamos em um país em que os de pele branca são em menor número, daí podemos afirmar que a lei não foi criada para proteger a minoria, mas sim para separar as pessoas e estimular a vagabundagem estudantil.




 







A notícia em Primeiro Lugar

Uma publicação do
Instituto Nonato Santos e
VND - Comunicação
Rua Tiradentes, 1358
(86) 3222-5832

 



Fale Conosco

O nosso propósito é levar a informação a todos os recantos do Piauí, do país e do mundo, com imparcialidade e respeito.

COMO ANUNCIAR

Para anunciar no Jornal da Cidade, basta ligar para:

(86) 9936-5070 ou pelos E-mail:
vilsonsanttos@bol.com.br